"Eu troquei a cidade pelo campo e tenho mais tempo com meu marido e filhos".
O casal Leonardo e Nicole Contini com os filhos Cecília e Leonardo na nova propriedade da família em Joaçaba, Santa Catarina

Faz 11 meses que eu e a minha família nos mudamos pra Joaçaba, uma cidade bem no interior da Santa Catarina. Vendemos a nossa casa e a maioria das nossas coisas em Florianópolis. Largamos nossos empregos, eu coordenadora de uma escola de inglês, e meu marido um gerente de um hotel. Levamos nossos dois filhos, Léo de 5 anos, e a Cecília de 6 meses. Compramos terreno na parte rural da cidade. Plantamos uma horta, compramos vacas, um cavalo, e ajudamos nos aviários dos meus sogros com aproximadamente 30 mil frangos.


Agora, se você está imaginando uma família hippie, pense de novo. Sou uma gringa de Boston, Massachusetts. Gostamos de viajar, comer e beber bem, e desfrutar das coisas boas da vida. Então, por que esta mudança tão radical?

Tem várias razões, mas pra começar, queríamos criar a nossa família mais próxima à família do meu marido, que nasceu em Joaçaba. Adoramos Florianópolis, mas entre o trânsito e a falta de família por perto, dava pouco tempo para relaxar e curtir a cidade. Sentimos uma falta de comunidade, mesmo tendo grandes amigos.


Também estava na hora de fazer um upgrade e comprar uma nova casa. Queria espaço para meus filhos crescerem, correrem e se divertirem, mas foi difícil encontrar. Eu mesma sentia uma ansiedade sobre o futuro. Com o aquecimento global, ficava preocupada em investir tudo numa ilha. Queria ter a certeza que teríamos terreno para cuidar da nossa família caso fosse necessário. Talvez seja uma louquinha, mas olhando pra meu redor, me sinto segura vendo espaço para o que precisamos.


Agora estamos num fase de transformar os sonhos em realidade. E a realidade me faz rir todos os dias. Matei metade das plantas que plantei. Fiquei sabendo que os insetos são em dobro por aqui (dobro do tamanho também). Cavalos mordem e vacas exigem mais trabalho do que imaginava.

Mas meus filhos estão fortes e felizes, sempre sujos, e entendendo mais do mundo do que eu poderia imaginar. Eu e meu marido temos muito mais tempo juntos, e podemos curtir os parentes também. Faço o nosso próprio pão, colho verduras e frutas da horta. Fiz amizade com os vizinhos que compartilham os pêssegos mais lindos do mundo.

Tem muita coisa para aprender ainda, e vai ter muito mais história pra contar.